assine o feed de dissociative identity disorder

calendário

April 2014
M T W T F S S
« Mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  




da verdade e da revolução.

publicado por Tatiana Leão in citações, misc
05 19th, 2008

death and syntax
Creative Commons License photo credit: _SOLIDSTATE_

ao atualizar a seção de citações na barra lateral esquerda, adicionei uma que merecia ser colocada em destaque aqui:

In a time of universal deceit, telling the truth is a revolutionary act.

em português:

Em tempos de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário.

por george orwell.

contanto que se deva levar em consideração o quão vago o conceito de “verdade” é, penso que ela se encaixa bem na altura em que vivemos na sociedade. “mentiras universais”: toca algum sininho?

Share


dos links da semana: 10/mai a 16/mai.

publicado por Tatiana Leão in links
05 16th, 2008

Rust
Creative Commons License foto: MicheKerr

LINKS DA SEMANA
10/05 a 16/05/2008

reverse dictionary
uma referência útil para situações em que o conceito está na ponta da língua, mas a palavra desejada, não. é possível usar palavras, frases ou conjuntos de palavras soltas para realizar a busca.

retrievr
outra ferramenta de busca, dessa vez de imagens: em vez de usar palavras para definir a busca, usa-se um desenho para encontrar fotos e ilustrações similares no flickr.

leitura diária
uma boa opção para combater a desculpa comum de falta de tempo para a leitura. basta se inscrever, escolher um livro e o período de leitura diário, assinalando também em que dias da semana receber os trechos correspondentes. versão em português do projeto dailylit.

symbols dictionary
mais um site de referências: neste, são mais de 1600 artigos sobre mais de 2500 símbolos ocidentais.

does this girl ever shut her mouth?
uma galeria de fotos de uma garota que não fecha a boca. literalmente.

the 100 dollar project
quantos trabalhadores podem ser contratados por cem dólares para trabalhar por uma hora e no que eles trabalhariam em países diferentes? esse projeto tenta responder a essa pergunta na prática. seria bem mais legal se houvesse uma análise dessas diferenças, mas já é um começo. atenção especial para a china!

Share


do cisne.

publicado por Tatiana Leão in links, mais da mesma, music, música, videos
05 15th, 2008

vídeo musical do dia: siouxsie sioux, “into a swan“.

com mais de 30 anos de carreira e do alto dos seus 50 anos, a grande rainha do punk, pós-punk, gothic rock, new wave e o que mais houver nesses guarda-chuvas de estilos underground lançou, em setembro do no ano passado, seu excelente primeiro álbum solo, mantaray.

junto com ele, vieram os videoclipes. neles, uma siouxsie em plena forma, tanto fisicamente quanto musicalmente – engula essa, madonna!- , entoa suas músicas com uma força incrível, mas que só surpreende aqueles que não acompanharam sua carreira anterior com as bandas siouxsie and the banshees e the creatures.

long live the queen!

para acompanhar o vídeo com a letra de “into a swan”, clique em “ler mais”.

ler mais »

Share


das bonecas vivas.

publicado por Tatiana Leão in ativismo
05 14th, 2008

fantástica a campanha da agência contrapunto BBDO (espanha) para a AMAM, Associação de Mulheres Anti-Mutilação, que se dedica a combater a prática da mutilação genital feminina na espanha e nos países de origem de suas vítimas e que já lançou uma campanha sensacional sobre o mesmo assunto anteriormente.

de acordo com dados da UNICEF, por volta de 70 milhões de mulheres sofreram algum dos tipos de MGF na áfrica e iêmen. no entanto, esse número é somente uma estimativa, visto que toda a cultura que cerceia sua prática é envolta em segredos. há muitas movimentações de ONGs como a AMAM que tentam coibi-la junto aos governos e povos dos países onde é realizada e oferecendo suporte às vítimas ao redor do mundo, mas o fator cultural, com sua concepção arraigada que mistura religiosidade e relações de poder, ajuda a manter viva essa prática.

não costumo chamar a atenção para campanhas publicitárias, por mais interessantes e bem sacadas que sejam porque minhas opiniões a respeito dos caminhos da publicidade e do marketing em geral não favorecem esse tipo de atitude. não é à toa, entretanto, que o caso da campanha da contrapunto BBDO é uma exceção: campanhas como essa podem não ser suficientes para que a MGF seja finalmente extinta, mas toda forma de ampliar a conscientização das pessoas e chamar a atenção para questões que, muitas vezes, estão fora do alcance de seus olhos, é válida. com a publicidade trabalhando a favor das pessoas não há por quê não aplaudir de pé.

via boing boing e maffalda.

Share


das fitinhas modernas.

publicado por Tatiana Leão in links, music, música
05 13th, 2008

beneath the bed
Creative Commons License foto: Idiolector

na minha adolescência, os CDs ainda estavam engatinhando e era difícil encontrar quem tivesse CD players nos seus aparelhos de som. assim, além das rádios, a forma mais legal para conhecer música eram as mixtapes, coletâneas de músicas em fitas cassete. as músicas, copiadas à exaustão, passavam de mão em mão espalhando novidades e dando recados emocionais dos mais diversos tipos. ainda tenho algumas delas guardadas por pura nostalgia…

e nostalgia está na moda. é provável que seja algo nessa linha que impulsionou o surgimento recente de tantos sites com o objetivo de criar playlists – mas não simples playlists onde uma música segue a outra em uma ordem lógica, mas sim algo carregado de passado: as mixtapes digitais.

pois é: com todos os recursos disponíveis no nosso mundo digital, damos um passo atrás na memória e os usamos agora para reconstruir, de maneira renovada, o prazer de coletar músicas em fitinhas cassete, deixando de lado até mesmo os seus primos mais modernos, mix-cds. claro que a mídia em si, já ultrapassada pelos ipods da vida, não é mais o meio utilizado para isso, mas quanto mais próximo dela estiver a forma de construção de uma playlist, mais gosto parece ter a atividade.

o primeiro site do tipo que conheci foi o mixaloo, através do seu aplicativo no facebook. é possível criar mixtapes diretamente do aplicativo ou visitar o site para escolher as músicas, que infelizmente ainda são bem limitadas em sua variedade por conta das restrições de direitos autorais.

o diferencial aqui é a possibilidade de ganhar alguns trocados com sua criatividade: depois de escolher as músicas e montar a capa, sua mixtape fica à venda no site, o que rende alguns centavos de dólar ou pontos que podem ser trocados por produtos. o valor do lucro por faixa varia de US$ 0,08 a US$ 0,20 e os produtos disponíveis para troca vão desde camisetas do site a fones de ouvido, caixas de som e mp3 players a TVs, vespas e carros.

apesar desses atrativos e das ferramentas de divulgação para as playlists, o mixaloo não tem muito charme. o site é divulgado como um espaço de “digital mix tapes”, mas o resultado final pouco tem a ver com a aparência e o feeling das boas e velhas fitas cassete.

nesse quesito, quem sai na frente é o mixwit. lá, as mixtapes digitais são o mais próximo possível das fitinhas de verdade, com design de fitas antigas para escolher ou carregamento de imagens de fundo para fazer as vezes das colagens nas capas, títulos rabiscados em handwriting e muito mais. as músicas são coletadas na internet, em blogs de música ou sites que disponibilizem mp3s. se a música procurada não estiver no banco de dados do site, dá para adicioná-la enviando o link direto para a mp3, o que oferece muito mais possibilidades para criar as fitas.

o muxtape é, dos sites que pesquisei, o mais direto e minimalista. sem a possibilidade de criar capas ou sequer alterar a aparência da mixtape, ele vai direto ao ponto: a música. diferente do mixaloo e do mixwit, aqui o usuário faz o upload das músicas (12 no máximo) e pronto, mixtape concluída. cada conta dá direito a somente uma mixtape, o que significa que para fazer um novo mix é necessário abrir uma nova conta ou excluir as músicas do mix atual.

é só escolher um site, algumas músicas, e a nostalgia vai longe… ;)

***

com todas essas opções, como ficam aquelas fitinhas velhas que você ainda guarda debaixo da cama? se em algum momento de desprendimento emocional a decisão tomada for a de se desfazer delas, sempre há a opção da reciclagem criativa. minha sugestão é seguir o passo-a-passo do vídeo abaixo e transformá-las em uma bolsa retrô. porque se nostalgia está na moda, bom mesmo é levá-la para qualquer lugar.

Share